Olha as pegadas deixadas…

Olha as pegadas deixadas…

Sabe… não tem muito tempo aprendi que uma das coisas mais complicadas de perceber é o quanto você já andou… o quanto já evoluiu como pessoa. As vezes parece que você continua a mesma merda de sempre. Parece estar sempre passando pela mesma estação da vida. Tendo que lidar e reclamar sempre dos mesmos fracassos. E cair sempre nas mesmas armadilhas. Mas será que realmente você está se repetindo… ou na verdade não está percebendo as leves mudanças?

Sabe quando você é criança e passa maior tempão sem ver a tia cotinha, e quando ela te vê, ela aperta a sua bochecha e diz:

— Noooooooossa como você cresceu.

E você não percebeu esse crescimento.

Ou caso você tenha uma criança em casa – seja sua filha(o) irmã(o) ou algo do gênero – você convive com esse serzinho e não percebe que ele está crescendo, mudando um pouquinho a cada dia. Até que numa bela tarde chuvosa, você está entediado e decide fazer uma limpa na galeria de fotos do seu celular – os grupos te enchem de porcaria – então em uma foto de, sei lá, seis meses atrás, é possível notar que essa criança – com quem você convive – era menor, tinha o rosto mais arredondado e agora está mais fino – ou ficou ainda mais arredondado – que o olhar desse serzinho está diferente.

E é exatamente a mesma coisa que acontece com a gente.

Pense comigo, se já é difícil perceber as mudanças das pessoas ao nosso redor, que dirá a mudança interior e é ainda mais difícil notar a mudança quando você não consegue se encarar no espelho, por medo, ou por simplesmente não se dar o trabalho.

Caso você pare só um pouquinho e se olhe no espelho, e quando eu digo se olhar, não é simplesmente ver o reflexo dos seus olhos castanho escuro e seus cabelos cumpridos e lisos – escravos da chapinha ou não – ou cacheados, – respeito muito quem aceita e é feliz com seus cachos 😛 – talvez curtos estilo militar… Enfim… Olhe para si… Olhe dentro de seus olhos e veja o que está dentro de você.

Depois de conseguir se encarar – e espero que isso não tenha sido difícil pra você, pois para mim um dia foi – comece a pensar no que já aconteceu em sua vida, preste a atenção nos seus movimentos antigos e nos seus atuais, nas merdas que você já passou por cima, das poços em que você quase se afogou, nas areias de um deserto desolado do qual você atravessou.

É divino… É revigorante e você tem de se sentir incrível, é um direito seu, as batalhas foram suas, foi você quem as venceu, você é foda!

E vou te dizer, esse exercício funciona melhor ainda quando se faz depois de achar que caiu mais uma vez no mesmo buraco de antes, ou que fracassou mais uma vez.

Encare-se e se pergunte: Será que eu caí na mesma armadilha de novo? Ou é uma armadilha parecida?

Se pergunte se você permanece no mesmo lugar…

Dê uma olhada para trás…
Veja as pegadas que ficaram no seu caminho em direção a clareira do fim do caminho…

Veja como era aquela armadinha anterior e veja como é a atual…

Perceba que nessa você já não se machucou de verdade, e caso tenha se machucado, não foi tanto assim, porque você já havia caído em uma parecida, você já caiu outras vezes, sabe como se levantar.

Então, depois disso, qualquer porcaria, qualquer buraco, qualquer percalço já não vai ser grande coisa, você já resolveu muitos outros, tão difíceis quanto, mas no fim das contas, você resolveu, você sempre resolve, então use sua experiência adquirida para resolver esse também.

E se você olhar para trás e realmente não ver nenhum passo dado, meu caro, ou minha cara, é hora de dar esse passo… Vai lá, sem medo… Sei que as vezes permanecer no lugar comum é melhor. Você já sabe o que esperar dali, sabe qual a intensidade da dor que vai chegar, e sabe que aguenta.

Sei o quanto é mais cômodo ficar nessa estação e não seguir adiante… Mas não faça isso consigo, é horrível, eu sei que é, assim como sei o quanto é complicado pensar que não se está andando, o quanto é muito doloroso não conseguir se mover, ou sentir estar se movendo.

Enton – e sim é enton mesmo, não sei porque mas gosto de falar assim as vezes – vamos dar esse passo a seguir.

E se você já deu, sempre olhe para trás, pra ver o quanto você já andou.

Um comentário em “Olha as pegadas deixadas…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *